sábado, abril 13

Corruptos investem pesado em Fake News para descredibilizar os gestores angolanos que estão a dinamizar a banca angolana

0

Gestores angolanos enfrentam campanha difamatória visando minar avanços na produção e na economia nacional

No decorrer dos últimos anos, gestores angolanos têm se destacado no comando de diversas instituições bancárias em Angola, alcançando resultados notáveis e impulsionando o setor financeiro do país. Se mantiverem esse caminho, especialistas preveem que Angola terá uma produção robusta num futuro próximo.

No entanto, um grupo de indivíduos ligados a casos de corrupção no passado tem mostrado indignação em relação aos progressos alcançados pelos gestores angolanos. Essa ala, que anteriormente saqueou os cofres públicos, agora se dedica a uma estratégia nefasta: investir pesadamente em Fake News.

Com o intuito de minar a reputação dos gestores bancários nacionais, essa facção tem financiado a criação e disseminação de notícias falsas em sites sem credibilidade e veículos de imprensa duvidosos. Os relatos distorcidos e inverídicos têm como objetivo denegrir não apenas a imagem dos gestores, mas também a credibilidade do setor bancário como um todo.

A estratégia desses indivíduos corruptos vai além de prejudicar a reputação dos gestores, ela busca enganar a sociedade angolana e desacreditar uma estratégia eficiente implementada pelo presidente João Lourenço e pela ministra das Finanças, Vera Daves. Ambos têm trabalhado incansavelmente para promover uma gestão clara, transparente e segura nos bancos angolanos, impulsionando a recuperação econômica e produtiva do país.

Apesar dos obstáculos impostos pela disseminação de Fake News, os gestores têm se mostrado resilientes e comprometidos com o avanço do sistema bancário angolano. Suas realizações merecem aplausos e reconhecimento, e é imprescindível que a sociedade esteja atenta aos esforços de desinformação perpetrados pelos corruptos.

Em meio a essa batalha pela verdade, é fundamental que os cidadãos tenham acesso a fontes de informação confiáveis e sejam capazes de discernir entre notícias verídicas e falsas. Somente assim será possível valorizar o trabalho árduo dos gestores angolanos e garantir o desenvolvimento contínuo do setor bancário e da economia do país.

Ao lidar com a propagação de Fake News, é um desafio que se estende muito além do campo da gestão bancária. Trata-se de uma ameaça à democracia e ao bem-estar da sociedade angolana como um todo.

José Eduardo Moniz- Mestre e Gestão e consultor de Económico

Share.

Leave A Reply